Dor do Parto


 
PARA QUE SERVE A DOR?
Um dos maiores medos associados ao parto é o medo da dor. Os avanços da medicina permitiram o aparecimento de drogas cada vez mais sofisticadas que se não curam, pelo menos tiram a dor. A anestesia nos tira a dor e muitas das sensações físicas ligadas ao trabalho de parto. Dor de dente, dor de cabeça, dor de barriga, dor nas costas… Por que conviver com a dor? Qual o significado da dor?

Na maioria das vezes, a dor é um sinal do corpo de que algo não está indo bem. Uma dor de estômago pode significar que comemos um alimento deteriorado. Uma dor de dente pode significar um nervo inflamado. Se não sentirmos a dor, se anestesiássemos todo o corpo, jamais sentiríamos dor. Mesmo com fraturas, úlceras ou cistites, o que seria muito perigoso! Não podemos, então, simplesmente poupar-nos da dor. 

Outras vezes a dor é um aviso de que um músculo foi sobrecarregado, como quando carregamos um peso por muito tempo, ao fazermos exercício físico numa dose maior que a habitual. Essa dor freqüentemente nos dá prazer. Saber que os músculos doem de uma boa sessão de natação dá uma sensação de poder e vigor. E é comum que pensemos: "Ah! Amanhã já passou!". E lá vamos nós para mais uma aula de natação.

Às vezes sentimos a dor da perda, a dor do luto, a dor na alma. Essas dores acontecem porque somos gente, pensamos, sentimos, amamos e sofremos com as perdas. Sem amor não sentiríamos a dor da separação. No final percebemos que valeu a pena ter amado, com ou sem dor. Enriquecemos e crescemos com esses sentimentos. Se tomamos antidepressivos para nos livrar do luto, percebemos que nosso mal estar com o tempo vai piorar e que não há como escapar dessa dor, cedo ou tarde teremos que lidar com ela. Remédios aqui decididamente não funcionam…

A DOR DO PARTO
A dor do parto é diferente dos outros tipos de dor, por várias razões. Primeiro porque é uma dor intermitente. Vem com a contração, começando fraquinha e aumentando, até atingir o pico, quando começa a diminuir e desaparece completamente. No intervalo entre as contrações não há dor, pressão, incômodo algum. É como se nada tivesse acontecido há 4 minutos. Nesses intervalos dá tempo de relaxar, meditar, respirar profundamente e muitas vezes dormir. 

Outro fato é que a intensidade da dor do parto varia de mulher para mulher e de gestação para gestação de acordo com diversos fatores: limiar individual, grau de relaxamento, intimidade como o ambiente, apoio de familiares e profissionais, preparação e outros tantos… É uma dor diretamente influenciada por fatores psicológicos, funcionais e emocionais. Quando estamos com medo, ficamos tensas, e a nossa tensão faz a dor aumentar. É um ciclo bem conhecido, o ciclo do medo-tensão-dor. Vale para qualquer tipo de dor.

Um terceiro fator que às vezes soa estranho é que a dor do parto é "esquecida". É freqüente ouvirmos as mulheres dizerem que tão logo o bebê está nos braços, a dor já foi completamente esquecida. É diferença daquelas cólicas menstruais que lembramos, algumas realmente inesquecíveis. Ou aquela dor de dente que destruiu nosso fim-de-semana. Se nos esforçarmos um pouco, dá pra sentir a danada de novo!

O certo é que uma boa experiência de parto significa, entre outras coisas, lidar com a dor normal inerente ao processo de abertura do colo do útero e aliviar ou eliminar as dores desnecessárias, provenientes de tensões, medos, ambientes impróprios, manobras médicas discutíveis ou presença de pessoas indesejadas. 

E embora essa dor seja tão peculiar, lidar com ela não é muito diferente do que lidar com outras dores. Os recursos que podemos usar são universais: água morna, respiração, distração, encorajamento, carinho, apoio, balanço ritmado, massagem, relaxamento, meditação, oração, visualização, pressão, alongamento, respiração, vocalização, movimentação do corpo, ouvir música, cantar, gritar, gemer, chorar.

É claro que nem todos os recursos funcionam da mesma forma para toda mulher. Somos indivíduos diferentes. Nossos desejos, nossos desafios, o que nos move, tudo é individual. É bom lembrar que por isso mesmo qualquer procedimento médico ligado ao parto, não só aqueles ligados à dor, devem ser adotados individualmente e nunca rotineiramente. Rotina é para máquinas, não para gente e menos ainda para parturientes. 

Quando nos sentimos confortáveis e seguras, aumentamos nossa capacidade de relaxar e assim nos concentrar no trabalho de parto. O trabalho de parto é feito de esforço, concentração, dedicação. Existem elementos ambientais, recursos humanos e técnicos que podem ser de grande ajuda nessa tarefa intensa de dar à luz um bebê. Veja aqui alguns desses elementos e recursos. 
 
 

Ana Cris Duarte
Amigas do Parto
 
 

Direitos Autorais